Falha no ConecteSUS deixa acreanos sem acesso a cartão de vacinação e afeta aplicação de doses contra Covid em Rio Branco

O aplicativo e o site do ConecteSUS não estão disponíveis para a emissão do Certificado Nacional de Vacinação Covid-19, que é exigido para acessar órgãos públicos e outros estabelecimentos no Acre. Como no estado não há outra forma de emissão desse certificado, os acreanos que perderam a primeira via da carteira de vacinação estão sem acesso ao comprovante.


Além disso, aqueles que não têm mais a carteira de vacinação não vão ter como receber a segunda dose ou dose de reforço nesta sexta-feira (10) em Rio Branco, porque a equipe de saúde não tem como confirmar se a primeira dose foi aplicada

A exigência da apresentação do cartão de vacinação contra a Covid-19 para acesso em órgãos e repartições públicas do Acre e eventos com mais de 100 pessoas passou a valer no último dia 29 no estado acreano, após publicação de decreto assinado pelo governador Gladson Cameli.

A coordenadora do Programa Nacional de Imunização do Acre (PNI), Renata Quiles, informou que não há outra forma de consulta aberta ao público e orientou que a população aguarde a normalização do aplicativo.


“O sistema para consulta de situação vacinal do cidadão está operando normalmente, mas este é interno e não é de acesso da população. Neste momento não tem outra forma de acesso [para a população], somente pelo Ministério [que está fora]. É preciso guardar o retorno do ConecteSus”, informou a coordenadora.

Os relatos de usuários que não conseguiram acessar a plataforma nacional começaram a surgir pouco após um ataque hacker aos sites do Ministério da Saúde e do ConecteSUS. Nas duas páginas, os invasores escreveram que o portal sofreu um “ransomware” e que “50 TB de dados foram copiados e excluídos”.


Pouco antes das 7h, a mensagem não era mais exibida nos sites, mas eles continuavam inacessíveis.


Ransomware é um tipo de vírus que sequestra o conteúdo do computador da vítima e cobra um valor em dinheiro pelo resgate, geralmente usando a moeda virtual bitcoin, o que dificulta rastrear o criminoso.
Este tipo de “vírus sequestrador” age codificando os dados do sistema operacional de forma com que o usuário não tenha mais acesso.


O Lapsus$ Group assumiu a autoria do ataque cibernético ao deixar a mensagem “nos contate caso queiram o retorno dos dados” nas páginas dos sites que saíram do ar. Antes do fim da madrugada, a mensagem ficou intermitente até sumir dos dois portais.