Segunda audiência de marido que matou a mulher após ela descobrir traição deve ocorrer em novembro no AC

Hitalo Gouveia matou a mulher na frente do filho em julho deste ano  — Foto: Arquivo pessoal

Após ouvir Hitalo Marinho Gouveia, de 33 anos, no último 20, a Justiça marcou mais uma audiência do acusado de matar a esposa Adriana Paulichen, de 23 anos, em julho deste ano. Esta deve ser a última audiência para que seja decidido se o acusado vai ou não a júri popular. No dia 10 de novembro, testemunhas de defesa do acusado devem ser ouvidas na 2ª Vara do Tribunal do Júri, em Rio Branco.

Desde 19 de outubro, o processo ficou em segredo de Justiça. O promotor de Justiça do caso, Efrain Enrique Mendoza, explica que, por conta disso, não pode detalhar nada sobre as provas do processo, porém diz estar confiante de que Gouveia vai a júri popular.

“Não tenho nenhuma dúvida de que o acusado será levado a júri popular e conto com a sociedade acreana, de Rio Branco, para que não deixe impune um crime como esse, onde uma mulher foi assassinada covardemente na frente do próprio filho. É um crime brutal contra uma vítima indefesa. Tenho confiança que a sociedade acreana não vai deixar que suas filhas, irmãs e que suas esposas sejam submetidas a um ato terrível como esse”, destaca o promotor.

le destaca ainda que casos de feminicídios precisam ser levado ao conhecimento do público para que esse crime se torne mesmo comum em nosso estado, que tem a maior taxa de feminícidio do país.

“A sociedade tem que ser mantida informada para que outros homens não venham agredir, assassinar suas companheiras, porque isso é um crime inadmissível. Quando o homem passa a conviver com sua família, tem que se exercer o papel de protetor da mulher, da família e não fazer como fez o réu”, crítica.